Pensamentos,  poemas

I can fly

Eu crio textos, pensamentos e poemas sobre quase tudo na vida.  Escrevo pra mim mesma, pra pensar sobre o assunto mais tarde, pra organizar as ideias ou só pra desacelerar e focar o pensamento (aprendi isso lendo as obras do Augusto Cury). Normalmente fico filosofando sobre um assunto iniciado em conversas aqui em casa, ou então fico pensando sobre uma noticia que li, uma atitude que vi na rua, pessoas que conheci, coisas que ouvi, enfim, os temas são incontáveis porque a vida está sempre em movimento e basta focar em um único momento que a gente desenrola um carretel infinito de ideias.
Em geral escrevo porque a escrita parece mais coerente, mais “pé-no chão”, com ela consigo permanecer mais tempo no tema “proposto” sem dispersar.

A escrita cria voz e o pensamento cria asas.

Quando leio o que escrevi consigo me ouvir em terceira pessoa, e é possível debater o assunto e mudar de ideia ou fortalecer opiniões com muito mais facilidade. O pensamento não, ele não fala, ele sente, ele voa…. e voar é fantástico e envolvente, a gente viaja nele, vai longe…
Tudo começa em um voo, observando tudo do alto, avistando até o horizonte.  Mas ás vezes é necessário pousar, estabelecer acampamento e pegar fôlego para a próxima viagem. E aí que entra a escrita, ela  é como uma fogueira, você a acende e fica ali, ao redor, debatendo e a alimentando, segue observando a chama que você mesmo criou. E quando chega na sua conclusão, coloca-se um ponto final e pode retomar seu voo. Ou então deixa a chama acessa, em reticências, para iluminar o pouso de um outro pássaro, para que ele se aproveite daquela luz, também a alimente e então siga com ainda mais fôlego para seu voo …

 

Eis que nada pode tirar nossas asas, mesmo silenciando nossa voz, o voo é sempre livre dentro de nós.
Se penso, logo existo, então eu posso voar….

~    I believe, I can fly   ~



O homem explorando o espaço
e o fundo dos oceanos,
e eu aqui conhecendo minha própria alma,
tão imensa quanto o espaço,
tão profunda quanto os oceanos,
mas só minha, e me encontro nela
a cada dia que me conheço mais
e percebo que o Divino habita em mim…
e também no espaço, nos oceanos e em todos os homens…

Texto escrito em 16/12/2015  ~  Gi Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *